console.log("erg")

Datamais 25 Anos

Hoje é um dia mais que especial.

25 anos se passaram desde o início de um sonho que se concretizou. Foram diversos obstáculos superados, objetivos alcançados, trabalho duro, altos e baixos, mas com muitas conquistas. O sentimento de que todo o esforço valeu a pena está presente entre todos aqui na Datamais.

Temos o privilégio de fazer todos os dias um trabalho que amamos, além de estarmos rodeados por pessoas e parceiros incríveis que fazem nosso dia se tornar ainda mais celebrado.

Ao comemorar um marco tão importante quanto atingir 1/4 de século de existência, podemos acreditar em um futuro cada vez mais promissor. Afinal, nesta jornada vivenciamos, compartilhamos e participamos de diversas fases e da evolução da tecnologia que utilizamos hoje. Desenvolvemos ferramentas que no início não eram tidas como fundamentais para o dia a dia e, hoje, são indispensáveis para qualquer negócio que deseja ter um gerenciamento e organização da sua empresa.

Gostaríamos de agradecer a cada parceiro, cliente e colaborador que participaram ativamente da história da Datamais. As alianças e parcerias que realizamos ao longo de nossa jornada enriquecem nossa história e nos torna orgulhosos do caminho que traçamos até aqui.

Vamos juntos para os próximos 25 anos?!

0862c6f5-de4a-4dbc-9afb-f82133cb05b6

Prorrogada a entrada em vigor do Bloco X em Santa Catarina

A Secretaria de Estado da Fazenda (SEF/SC) publicará, nesta quarta-feira (31), o Ato da Diretoria de Administração Tributária (DIAT) com o novo prazo para início de obrigatoriedade no envio dos arquivos do Bloco X. A prorrogação atende a solicitação da governadora do Estado Daniela Reinehr, além do anseio dos setores empresarial e contábil de Santa Catarina. As novas datas serão 1º de julho e 1º de setembro de 2021.

“Ainda levando em consideração a pandemia, a SEF/SC está prorrogando os prazos para a implementação do Bloco X. Os grupos são separados de acordo com os códigos da Classificação Nacional de Atividades Econômicas”, explica a diretora da DIAT, Lenai Michels.

Devem enviar os arquivos até o dia 1º de julho os estabelecimentos enquadrados nos códigos de Classificação Nacional de Atividades Econômicas (CNAE) como comércio varejista de calçados, vestuário, medicamentos veterinários, artigos esportivos, papelaria e móveis, de equipamentos para escritório, ferragens e ferramentas, bebidas, açougues, peixarias, entre outros. Já o novo prazo para os demais estabelecimentos do comércio varejista e que utilizem o Emissor de Cupom Fiscal (ECF) por determinação da legislação ou de forma voluntária é 1º de setembro.

O Bloco X consiste no envio diário do resumo das vendas das empresas que têm ECF e não deve gerar custos, uma vez que a empresa já possui o equipamento e o aplicativo Programa Aplicativo Fiscal – Emissor de Cupom Fiscal (PAF-ECF) autorizado, conforme consta na legislação. Anualmente, no mês de janeiro, as empresas deverão transmitir para a SEF/SC informações sobre o estoque. A medida permite melhor acompanhamento e fiscalização das transações de venda ao consumidor final.

Fonte: SEF

Atenção! Estado faz novas alterações no Bloco X

Após publicação de prorrogação no dia 17/03 estado fez nova alteração no dia 19/03 e adianta prazos do Bloco X.

A Secretaria de Estado da Fazenda (SEF/SC) alterou novamente os prazos e os critérios para a obrigatoriedade da transmissão do Bloco X do Anexo I do Ato COTEPE/ICMS 09/13, por meio do Ato DIAT nº 14/2021, publicado na quarta-feira (17).

Na alteração anterior (Ato DIAT nº 12/2021), as atividades que já estavam na obrigatoriedade desde 2018 foram incluídas como obrigatórias a partir de 01/04/2021. Todavia, não haviam sido revogados os dispositivos anteriores que determinavam a obrigatoriedade com início em 2018.

No Ato DIAT nº 14/2021 estes CNAEs não foram relacionados, ou seja, permanecem obrigados pela data anterior (2018), sendo que o escalonamento da obrigatoriedade entre 01/04, 01/06 e 01/08 de 2021 vale para os CNAEs que ainda não tinham obrigatoriedade de enviar o Bloco X, nos seguintes termos:

Obrigatoriedade a partir de 1º de abril de 2021:
a) 4782202 – Comércio varejista de artigos de viagem;
b) 4782201 – Comércio varejista de calçados;
c) 4781400 – Comércio varejista de artigos do vestuário e acessórios;
d) 4774100 – Comércio varejista de artigos de óptica;
e) 4773300 – Comércio varejista de artigos médicos e ortopédicos;
f) 4771704 – Comércio varejista de medicamentos veterinários;
g) 4771702 – Comércio varejista de produtos farmacêuticos, com manipulação de fórmulas;
h) 4763605 – Comércio varejista de embarcações e outros veículos recreativos; peças e acessórios;
i) 4763604 – Comércio varejista de artigos de caça, pesca e camping;
j) 4763603 – Comércio varejista de bicicletas e triciclos; peças e acessórios;
k) 4763602 – Comércio varejista de artigos esportivos;
l) 4763601 – Comércio varejista de brinquedos e artigos recreativos;
m) 4762800 – Comércio varejista de discos, CDs, DVDs e fitas;
n) 4761003 – Comércio varejista de artigos de papelaria;
o) 4761002 – Comércio varejista de jornais e revistas;
p) 4761001 – Comércio varejista de livros;
q) 4759899 – Comércio varejista de outros artigos de uso pessoal e doméstico não especificados anteriormente;
r) 4759801 – Comércio varejista de artigos de tapeçaria, cortinas e persianas;
s) 4757100 – Comércio varejista especializado de peças e acessórios para aparelhos eletroeletrônicos para uso doméstico, exceto informática e comunicação;
t) 4756300 – Comércio varejista especializado de instrumentos musicais e acessórios;
u) 4755503 – Comércio varejista de artigos de cama, mesa e banho;
v) 4755502 – Comércio varejista de artigos de armarinho;
w) 4755501 – Comércio varejista de tecidos;
x) 4754703 – Comércio varejista de artigos de iluminação;
y) 4754702 – Comércio varejista de artigos de colchoaria; e
z) 4754701 – Comércio varejista de móveis.

Obrigatoriedade a partir de 1º de junho de 2021:
a) 4789099 – Comércio varejista de outros produtos não especificados anteriormente;
b) 4789009 – Comércio varejista de armas e munições;
c) 4789008 – Comércio varejista de artigos fotográficos e para filmagem;
d) 4789007 – Comércio varejista de equipamentos para escritório;
e) 4789006 – Comércio varejista de fogos de artifício e artigos pirotécnicos;
f) 4789005 – Comércio varejista de produtos saneantes domissanitários;
g) 4789004 – Comércio varejista de animais vivos e de artigos e alimentos para animais de estimação;
h) 4789003 – Comércio varejista de objetos de arte;
i) 4789002 – Comércio varejista de plantas e flores naturais;
j) 4789001 – Comércio varejista de suvenires, bijuterias e artesanatos;
k) 4785799 – Comércio varejista de outros artigos usados;
l) 4785701 – Comércio varejista de antiguidades;
m) 4784900 – Comércio varejista de gás liquefeito de petróleo (GLP);
n) 4783102 – Comércio varejista de artigos de relojoaria;
o) 4783101 – Comércio varejista de artigos de joalheria;
p) 4753900 – Comércio varejista especializado de eletrodomésticos e equipamentos de áudio e vídeo;
q) 4752100 – Comércio varejista especializado de equipamentos de telefonia e comunicação;
r) 4751202 – Recarga de cartuchos para equipamentos de informática;
s) 4751201 – Comércio varejista especializado de equipamentos e suprimentos de informática;
t) 4744006 – Comércio varejista de pedras para revestimento;
u) 4744005 – Comércio varejista de materiais de construção não especificados anteriormente;
v) 4744004 – Comércio varejista de cal, areia, pedra britada, tijolos e telhas;
w) 4744003 – Comércio varejista de materiais hidráulicos;
x) 4744002 – Comércio varejista de madeira e artefatos;
y) 4744001 – Comércio varejista de ferragens e ferramentas;
z) 4743100 – Comércio varejista de vidros;
aa) 4729699 – Comércio varejista de produtos alimentícios em geral ou especializado em produtos alimentícios não especificados anteriormente;
ab) 4729602 – Comércio varejista de mercadorias em lojas de conveniência;
ac) 4729601 – Tabacaria;
ad) 4724500 – Comércio varejista de hortifrutigranjeiros;
ae) 4723700 – Comércio varejista de bebidas;
af) 4722902 – Peixaria;
ag) 4722901 – Comércio varejista de carnes – açougues;
ah) 4721104 – Comércio varejista de doces, balas, bombons e semelhantes;
ai) 4721103 – Comércio varejista de laticínios e frios; e
aj) 4721102 – Padaria e confeitaria com predominância de revenda.

Obrigatoriedade a partir de 1º de junho de 2021:
a) os demais estabelecimentos enquadrados nos códigos da CNAE de Comércio Varejista; e
b) os estabelecimentos que utilizem a ECF por determinação da legislação ou de forma voluntária.

No caso dos dados de estoque, não houve alteração. De acordo com a SEF/SC, o arquivo eletrônico deverá representar a posição quantitativa das mercadorias em estoque no estabelecimento, sujeitas à comercialização, no último dia do período de apuração do mês de dezembro de cada ano, e deverá ser enviado até o vigésimo dia do mês subsequente. Além disso, o Bloco X com as informações das vendas de cada dia deve ser enviado diariamente.

Sendo assim, o arquivo eletrônico relativo ao estoque mensal de mercadorias, deverá ser apresentado sempre quando:
I – Ocorrer mudança no regime de tributação das mercadorias em estoque no estabelecimento;
II – For solicitada a suspensão ou baixa da inscrição estadual do estabelecimento;
III – Ocorrer a alteração do enquadramento do regime de apuração da empresa;
IV – Determinado pelo Fisco.

O Bloco X consiste no envio de arquivos gerados automaticamente pelo Programa Aplicativo Fiscal do Emissor de Cupom Fiscal (PAF-ECF) para a base de dados da Secretaria de Estado da Fazenda (SEF/SC). A medida permite melhor acompanhamento e fiscalização das transações de venda ao consumidor final.

Penalidades

O estabelecimento que não estiver cumprindo essa obrigatoriedade no prazo previsto, e não possuir um controle adequado sobre os cupons fiscais, poderá ficar impedido de realizar o fechamento corretamente e sofrer implicações práticas para o seu negócio, incluindo até a impossibilidade de realizar novas vendas.

Além disso, o estabelecimento fica passível de multa, de acordo com o site da SEF/SC. Veja:

Qual a multa para quem deixar de enviar os arquivos do Bloco X?

Ver lei n° 10.297/96, art. 78. Art. 78 Não efetuar a entrega de informações em meio eletrônico ou digital, ou fornecê-las em formato diferente do estabelecido na legislação: MULTA de 0,1% (um décimo por cento) do valor das operações e prestações, relativas à soma das entradas e saídas, ocorridas no período de apuração correspondente ao documento não entregue, não inferior a R$ 1.000,00 (um mil reais). § 1º A multa prevista neste artigo será aplicada novamente caso o sujeito passivo não regularizar a situação que ocasionou a sua imposição, no prazo previsto na respectiva intimação, nunca inferior a 30 (trinta) dias.

Fonte: Perguntas e Respostas CAF – Pergunta 969

Informações e documentos necessários

Para ter sucesso na entrega dos documentos com as obrigações do Bloco X, em Santa Catarina, são necessários:

  • Possuir o PAF-ECF credenciado junto ao Estado e apto a realizar a transmissão das informações;
  • Possuir um certificado digital válido, com os modelos A1 ou A3, para que seja possível assinar digitalmente cada arquivo gerado.
  • Possuir acesso à internet no estabelecimento;
  • Manter o cadastro de produtos atualizado;
  • Manter o controle de estoque atualizado no seu sistema;
  • Certificar-se de que as informações que serão geradas as reduções Z e estoque estejam certas e sejam reais;
  • Caso sua empresa possua mais de um ponto de venda (PDV) com PAF–ECF instalado, será necessário que cada um dos PDVs tenha o certificado digital instalado, para que seja possível a transmissão dos arquivos referente a cada um deles.

Fonte: cdlblumenau

Tendências em pagamentos para 2021

Os meios de pagamento evoluíram além do esperado em 2020. Tendências que pareciam distantes e hábitos que antes engatinhavam enfim se consolidaram definitivamente no Brasil e no mundo. O motivo, todos já conhecem: a pandemia do Covid-19, elemento importante na aceleração de pagamentos online.

De acordo com pesquisa da FIS, os pagamentos em tempo real cresceram 50% com a pandemia. Ainda, segundo a Sociedade Brasileira de Varejo e Comércio (SBVC), houve um aumento de 5x nos pagamentos por meios digitais. O Febraban também aponta que 74% das transações financeiras no Brasil foram realizadas por meio de canais digitais.

O ano de 2020 também foi o de estreia do Pix. Com pouco mais de um mês de operação, o novo meio de pagamento já movimentou mais de R$ 83 bilhões.

Com uma evolução tão expressiva e em tão pouco tempo, fica a pergunta: quais serão as tendências em pagamentos para 2021?

03 tendências em pagamentos para 2021

Novos hábitos de pagamento devem fomentar ainda mais a inovação no mercado financeiro.

Pagamentos mobile serão o novo normal

Que o Pix deve acelerar a adoção de pagamentos mobile, você já sabe. Mas o método de pagamento instantâneo ainda reserva grandes novidades para 2021 e deve entrar com força no e-commerce brasileiro. Grandes varejistas já se preparam para oferecer o pagamento instantâneo na loja virtual, tornando-o cada vez mais habitual no cotidiano do brasileiro.

Com isso, um efeito paralelo é o aumento do uso das carteiras digitais – visto que as eWallets já oferecem esse meio de pagamento.

Aumento da bancarização

Falar sobre desbancarização em uma era tão digital parece ilógico; mas, até o último trimestre de 2019, o Instituto Locomotiva mostrou a população sem conta em banco no Brasil chegava a 45 milhões.

Mais uma vez, a pandemia do Covid-19 protagonizou uma grande mudança no sistema financeiro no Brasil. O pagamento do auxílio emergencial por contas digitais acelerou o processo de bancarização no Brasil: de acordo com dados do Banco Central, 9,8 milhões de pessoas iniciaram um relacionamento com alguma instituição financeira. Ainda, segundo dados da Caixa Econômica Federal, 58 milhões de brasileiros receberam alguma parcela do auxílio, e a grande maioria por meio de contas digitais. A formalização de mais pessoas no sistema financeiro deve continuar crescendo substancialmente no próximo ano.

É importante destacar, no entanto, que os desbancarizados ainda representam uma parte importante da população: cerca de 36 milhões permanecem sem conta bancária.

Mais inovação com o open banking

Outra resolução muito aguardada para o próximo ano é o open banking, sistema que consiste no compartilhamento de dados, informações e serviços de instituições financeiras a critério do consumidor. A medida permitirá ao consumidor acesso a produtos e serviços financeiros customizados para as suas necessidades, de forma muito mais conveniente.

Fonte: pagbrasil

NOVOS TALENTOS E FUTUROS PROFISSIONAIS

A Datamais Sistemas presente no CEDUP Timbó.

Realizada de forma diferente neste ano, através de videoconferência, a tradicional apresentação de trabalhos de Conclusão Semestral do Curso Técnico em Informática teve como convidado para a Banca de avaliação, nosso Diretor e Sócio-Fundador Hugo Eyng.

Foi com grande satisfação e entusiasmo que mais uma vez, nosso Diretor de Tecnologia, Hugo, recebeu o convite para participar da Banca e acompanhar a apresentação dos trabalhos e revelação de muitos talentos.

A própria apresentação foi uma experimentação da atual realidade dos profissionais de TI no formato virtual.

Segundo nosso Diretor Hugo: “´É impressionante a maturidade de idéias dos alunos expostas em seus trabalhos.”

O CEDUP é uma instituição que forma jovens no Curso Técnico. São vários cursos ministrados, com grade curricular aprovada pelo MEC e SED SC, com professores comprometidos e com vivência na área de atuação. Entre os cursos oferecidos está o Curso Técnico em Desenvolvimento de Software.

O CEDUP prepara para o mercado de Trabalho e para escolha de uma profissão. Enfatizamos a importância de termos essa instituição presente e atuante em nossa cidade.

A Datamais Sistemas mantém parceria com o CEDUP através de contratação dos alunos que se destacam no curso de Tecnologia.

Agradecemos a todos os alunos, desejando muito sucesso, a diretoria do CEDUP, e em especial, ao Professor Edésio e equipe, pela oportunidade e pelo relevante trabalho realizado.

Cinco lições sobre educação financeira que a pandemia trouxe à tona

A pandemia da Covid-19 trouxe impactos em diversas áreas da vida de cada um, e a do financeiro foi de longe uma das mais afetadas.

Para Gustavo Raposo, CEO fundador da Leve, fintech de Florianópolis que trabalha com benefícios para o bem-estar financeiro de colaboradores, as pessoas costumam acreditar que o futuro sempre será melhor, mas é com esse pensamento que as complicações começam a aparecer.

Ele comenta que não temos o controle do futuro, nada garante que daqui há um mês eu tenha uma certa quantia de dinheiro disponível.

Por isso, é essencial controlar nossos gastos pensando no orçamento atual e se planejar para possíveis imprevistos.

Aprender com situações adversas é o que nos previne de cometer os mesmos erros no futuro.

Confira cinco lições que pandemia ensinou para se proteger de futuras crises:

1- Faça uma reserva de emergência

Uma pesquisa da Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais (Anbima) aponta que mais da metade dos brasileiros entrou na crise sem reserva de emergência.

Essa economia tem como objetivo ser um dinheiro guardado para garantir estabilidade durante períodos escassez.

A quantia deve cobrir todos os gastos mensais pessoais e necessários para sobrevivência durante um período de, no mínimo, seis meses.

Para saber quanto reservar, faça as contas do quanto você gasta em um mês para viver hoje, e multiplique esse valor por seis ou mais, de acordo com o tempo que faça sentido para a sua realidade.

Procure juntar essa quantia.

Separe os gastos importantes dos supérfluos, defina um valor mensal a ser poupado para atingir sua meta o quanto antes, escolha investimentos adequados ao seu perfil e mantenha o dinheiro como prioridade.

2- Controle seu orçamento

Não é possível negligenciar o controle dos gastos, como o quanto de dinheiro que entra e sai todo mês e quais são os gastos fixos e extras, e ter um orçamento estável.

Para a Leve, é no controle que se encontra a liberdade.

Na visão dos especialistas da startup, que fazem um diagnóstico de cada colaborador no momento que eles aderem à solução, o ponto mais crítico, inclusive entre funcionários de boa renda, é o planejamento.

3- Gaste menos do que você recebe

Com muitas pessoas ainda mantendo uma mentalidade de “quem não tem dívida não tem nada vida”, a população brasileira tende a gastar mais do ganha.

Sendo assim, outro ensinamento que fica é a importância de economizar.

Sem manter um orçamento que sobre no final do mês, todas as outras dicas deixam de fazer sentido.

A quarentena mostrou a quantidade de compras desnecessárias que faziam parte do dia a dia de cada um.

Agora, o primeiro passo, é eliminá-las do extrato.

4- Não perca de vista os juros

Os juros compostos são um presente quando é você que está emprestando dinheiro para alguém.

Mas quando a situação é a inversa, eles podem, rapidamente, se tornar um pesadelo.

Antes de adquirir um empréstimo, procure os menores juros do mercado.

Caso não consiga fugir do endividamento, há formas de renegociar seu crédito para taxas mais baixas, como transferir seu empréstimo para um banco ou startup que forneça juros mais baixos.

Com parcelas menores, o pagamento poderá ser feito em um prazo maior, ajudando a quitar as contas e aliviar o orçamento.

5- Pense antes de comprar

Um hábito que é característico do ser humano é o comportamento de manada.

Ele vem nos acompanhando ao longo de todos os séculos e hoje a realidade não é diferente.

A tendência é que as pessoas reajam e tomem decisões de acordo com sua comunidade.

Se todo mundo está comprando um carro, é provável que você queira comprar um também. Mas, até que ponto, esse gasto faz sentido para seus sonhos e metas?

A pandemia mostrou que muitas compras são feitas por impulso, com o intuito inconsciente de se acionar uma recompensa de alívio momentâneo.

Além de pensar antes de gastar, é importante confirmar se o preço do produto ou do serviço é o melhor e mais barato.

Andar de se fazer uma decisão, procurar outras opções e fornecedores pode trazer, em muitos casos, economias expressivas, que vão aliviar o bolso no final do mês.

Fonte: Noticenter

Bloco X prorrogado para aqueles que iniciam em 01/10

O Governo do Estado prorrogou para 1º de abril de 2021 o prazo para início de obrigatoriedade do envio dos arquivos do Bloco X dos estabelecimentos que ainda não atendem esta obrigação tributária. “O Governo catarinense está sendo sensível ao pleito do setor produtivo e, por conta da crise causada pela pandemia do novo coronavírus, está adiando mais uma vez o prazo para obrigatoriedade do envio dos arquivos”, informa a diretora de Administração Tributária da Secretaria de Estado da Fazenda (SEF/SC), Lenai Michels.

O Bloco X consiste no envio de arquivos gerados automaticamente pelo Programa Aplicativo Fiscal do Emissor de Cupom Fiscal (PAF-ECF) para a base de dados da SEF/SC. Estes arquivos devem ser enviados diariamente, no caso de tributação e venda de mercadorias, e mensalmente para acompanhamento do estoque. A medida permite melhor acompanhamento e fiscalização das transações de venda ao consumidor final.

Fonte: SEF – Secretaria de Estado da Fazenda

Bloco X: Lembrete para quem começa enviar em 1º outubro

Conforme já havíamos informado, para empresas que emitem cupom fiscal ECF, existe a obrigação do envio do Bloco X ( informações da redução Z e estoque mensal).

O envio do arquivo será conforme o Cnae da empresa e datas estabelecidas através do Ato Diat 17/2017 a alterações pelo Ato Diat 15/19.

As empresas com início da obrigatoriedade em 01-06-2020 foram prorrogadas para 01-10-2020.

Você deverá verificar a obrigatoriedade de envio de sua empresa: Somente redução Z ou Redução Z e Estoque.

Para a transmissão, será necessário possuir o Certificado Digital da empresa, o sistema atualizado para transmissão do Bloco X e o cadastro de produtos e controle de estoque correto no sistema.

O Certificado Digital deverá ser providenciado com a sua Contabilidade.

Como o fisco terá anualmente o estoque da empresa, e mensalmente os dados de vendas de produtos pela redução Z, o estoque deverá estar 100% correto.

É obrigatório dar entrada em todos os itens comprados. Cada produto deve ter seu próprio código, e deverá ser alimentado cada vez que for comprado.

Ao fazer a venda no ECF, o produto será baixado conforme a quantidade vendida. Na geração do estoque aparecerá apenas a quantidade que estiver no estoque.

Por isso é importante dar entrada e saída nos produtos corretamente, e com o valor de custo, pois ao gerar o estoque, o valor utilizado deverá ser o de custo.

Cada empresa deverá verificar seu cadastro e corrigir manualmente o que precisar. Procurem não deixar para última hora, pois se o cadastro de produto for extenso e estiver desatualizado, levará um bom tempo para corrigir.

Lembrando que nunca deverá ser excluído um código de produto caso esteja com quantidades zeradas ou que não seja mais vendido na empresa.

Os produtos com quantidade no estoque e que não existem na empresa, devem ser baixados através de uma venda com valor de custo.

Os produtos ficarão com quantidades zeradas, e não devem alimentar estoque. O código ficará inativo, mas jamais deverá ser excluído ou utilizado para outro produto, pois em algum momento já foi informado no estoque da empresa.

Abaixo, atividades para início da obrigação por CNAE: PRORROGADO PARA 01/10/2020
X – a partir de 1º de junho de 2020, os demais estabelecimentos enquadrados nos códigos da Classificação Nacional de Atividades Econômicas (CNAE) de Comércio Varejista.

As contribuições do pensamento positivo

Pense positivo! Certamente, você já recebeu esse conselho diante de um desafio a ser superado e, com otimismo, venceu o obstáculo. Quantas vezes já não se flagrou com discursos negativos ou derrotistas e reorganizou seus pensamentos e falas com a convicção de que assim alcançaria o objetivo almejado? É praticamente unânime a ideia de que adotar esse tipo de comportamento ajuda a ter sucesso diante dos mais variados enfrentamentos.

Mas, o que explica o pensamento positivo subsidiar conquistas?

Primeiro, devemos compreender que o pensamento está vinculado a emoções e sentimentos que são refletidos na postura e nos comportamentos adotados. Sendo assim, se você não acredita que é capaz de passar naquele concurso que tem apenas uma vaga disponível, você se preparará para a prova reforçando ao seu cérebro que todo esse empenho é inútil, que não adianta nenhum esforço, pois você já sabe o resultado. Ora, para que empregar energias em uma atividade se o fracasso já foi anunciado? E mais sério ainda, anunciado por você? Desse modo, a postura que se tem é de conformismo, e realizar a prova será um ato de mera formalidade.

Diante da mesma situação, consideremos uma pessoa otimista, que mesmo sabendo que está diante de um grande desafio, acredita que a única vaga do concurso seja a sua. Provavelmente, essa pessoa estudará para a prova com disciplina, persistência, envolvimento e, principalmente, autoconfiança. E, se depois de prestar o concurso essa pessoa não passar, sua forma de lidar com a situação será melhor que a daquela que não acreditava em si. Pesquisas comprovam que os otimistas são mais resilientes, ou seja, recuperam-se mais rápido de uma adversidade ou frustração. Ademais, conseguem perceber o que foi válido e proveitoso ao longo da situação.

Perceba que o pensamento positivo impulsiona as decisões e as atitudes, além de contribuir significativamente com a saúde mental e física. De que forma?

A saúde mental é beneficiada com a autoestima e a autoconfiança que promovem a segurança para arriscar e estar receptivo a novos aprendizados, relacionamentos, buscas… Enfim, permite que você esteja aberto a diferentes experiências e acredite na possibilidade de alcançar seus objetivos, o que faz com que realmente dedique-se a eles e assuma atitudes diferenciadas e que podem ser superadas. Outra importante contribuição é a redução dos níveis de estresse.  Olhar o lado positivo das coisas ajuda-nos a ter tranquilidade para analisar e solucionar os problemas, encarando-os como desafios a serem superados, em vez de dificuldades.

Em relação à saúde física, o bom humor e a disposição são incentivos para a prática de esportes, bem como a prática de uma alimentação saudável e equilibrada.  Estudos feitos por pesquisadores da Universidade de Harvard mostram que os otimistas têm alta resistência imunológica, além de menor probabilidade de desenvolver doenças cardíacas.

Diante de todos esses motivos, que tal cultivar o pensamento positivo? Lembre-se de que não é apenas o otimismo que te leva à conquista e à melhora da saúde mental e física, pois a possibilidade da conquista está, para além do pensamento otimista, nas decisões e nas atitudes assumidas dia a dia.  Dessa forma, você garante bem-estar, saúde mental e qualidade de vida.

Fonte: Supera Ginástica para o Cérebro

Gestão em tempos difíceis

Em tempos de crise, os negócios normais são suspensos, os modelos de trabalho usuais não funcionam mais e precisamos fazer mudanças rápidas a todo momento.

Não estamos falando de uma crise qualquer. O coronavírus é uma realidade dura e que no mínimo nos faz parar e refletir sobre muitos valores.

Neste momento, precisamos manter a calma e tentar ao máximo preservar o valor das pessoas e da organização. Devemos manter o foco e buscar maneiras de nos adaptar rapidamente ao novo cenário para alcançar objetivos de maneiras muitas vezes inovadoras, visando a recuperação e o crescimento pós-crise.

É natural mudarmos o foco para tentar apagar os incêndios imediatos. Mas, não podemos permanecer para sempre concentrando nossos esforços no que é imediato e socorrista. Temos que voltar nossos olhos para o controle da gestão e manter resiliência nos processos , nos controles e no negócio.

Os processos, para continuar, precisam dos colaboradores alinhados com os objetivos da empresa. Se os objetivos passaram por uma mudança, eles tem que saber disso e devem fazer parte. Não sairemos da crise sem uma equipe unida e que trabalha pelo mesmo objetivo. Mantê-los confiantes com uma comunicação ativa vai fazer toda a diferença.

Temos muito trabalho pela frente e entrar em pânico, não ajudará. Você precisa de ações rápidas e não precipitadas, ser flexível e estar preparado para mudar decisões diariamente conforme mudanças no cenário, mas, ao mesmo tempo, manter a gestão em dia. Mesmo as dívidas e valores em atraso tem que ser controlados e administrados. Deve-se tentar negociá-los sempre.

Desanimar e abandonar tudo que foi construído não é a melhor escolha. Lembre-se que há escolhas reais a fazer, desde a adaptação do negócio ou até fechar a empresa. Mesmo que decidir fechar o negócio, deverá ser consciente, baseados em dados e com controles atualizados para tomada de decisão.

Não está fácil para muitos. Mas é preciso resiliência para passar por esta crise e voltar a progredir.

E para isso, temos que trabalhar para minimizar os impactos e fazer mudanças que possibilitem que nosso time, clientes e o negócio sobrevivam e cresçam.