Bloco X prorrogado para aqueles que iniciam em 01/10

O Governo do Estado prorrogou para 1º de abril de 2021 o prazo para início de obrigatoriedade do envio dos arquivos do Bloco X dos estabelecimentos que ainda não atendem esta obrigação tributária. “O Governo catarinense está sendo sensível ao pleito do setor produtivo e, por conta da crise causada pela pandemia do novo coronavírus, está adiando mais uma vez o prazo para obrigatoriedade do envio dos arquivos”, informa a diretora de Administração Tributária da Secretaria de Estado da Fazenda (SEF/SC), Lenai Michels.

O Bloco X consiste no envio de arquivos gerados automaticamente pelo Programa Aplicativo Fiscal do Emissor de Cupom Fiscal (PAF-ECF) para a base de dados da SEF/SC. Estes arquivos devem ser enviados diariamente, no caso de tributação e venda de mercadorias, e mensalmente para acompanhamento do estoque. A medida permite melhor acompanhamento e fiscalização das transações de venda ao consumidor final.

Fonte: SEF – Secretaria de Estado da Fazenda

Bloco X: Lembrete para quem começa enviar em 1º outubro

Conforme já havíamos informado, para empresas que emitem cupom fiscal ECF, existe a obrigação do envio do Bloco X ( informações da redução Z e estoque mensal).

O envio do arquivo será conforme o Cnae da empresa e datas estabelecidas através do Ato Diat 17/2017 a alterações pelo Ato Diat 15/19.

As empresas com início da obrigatoriedade em 01-06-2020 foram prorrogadas para 01-10-2020.

Você deverá verificar a obrigatoriedade de envio de sua empresa: Somente redução Z ou Redução Z e Estoque.

Para a transmissão, será necessário possuir o Certificado Digital da empresa, o sistema atualizado para transmissão do Bloco X e o cadastro de produtos e controle de estoque correto no sistema.

O Certificado Digital deverá ser providenciado com a sua Contabilidade.

Como o fisco terá anualmente o estoque da empresa, e mensalmente os dados de vendas de produtos pela redução Z, o estoque deverá estar 100% correto.

É obrigatório dar entrada em todos os itens comprados. Cada produto deve ter seu próprio código, e deverá ser alimentado cada vez que for comprado.

Ao fazer a venda no ECF, o produto será baixado conforme a quantidade vendida. Na geração do estoque aparecerá apenas a quantidade que estiver no estoque.

Por isso é importante dar entrada e saída nos produtos corretamente, e com o valor de custo, pois ao gerar o estoque, o valor utilizado deverá ser o de custo.

Cada empresa deverá verificar seu cadastro e corrigir manualmente o que precisar. Procurem não deixar para última hora, pois se o cadastro de produto for extenso e estiver desatualizado, levará um bom tempo para corrigir.

Lembrando que nunca deverá ser excluído um código de produto caso esteja com quantidades zeradas ou que não seja mais vendido na empresa.

Os produtos com quantidade no estoque e que não existem na empresa, devem ser baixados através de uma venda com valor de custo.

Os produtos ficarão com quantidades zeradas, e não devem alimentar estoque. O código ficará inativo, mas jamais deverá ser excluído ou utilizado para outro produto, pois em algum momento já foi informado no estoque da empresa.

Abaixo, atividades para início da obrigação por CNAE: PRORROGADO PARA 01/10/2020
X – a partir de 1º de junho de 2020, os demais estabelecimentos enquadrados nos códigos da Classificação Nacional de Atividades Econômicas (CNAE) de Comércio Varejista.

As contribuições do pensamento positivo

Pense positivo! Certamente, você já recebeu esse conselho diante de um desafio a ser superado e, com otimismo, venceu o obstáculo. Quantas vezes já não se flagrou com discursos negativos ou derrotistas e reorganizou seus pensamentos e falas com a convicção de que assim alcançaria o objetivo almejado? É praticamente unânime a ideia de que adotar esse tipo de comportamento ajuda a ter sucesso diante dos mais variados enfrentamentos.

Mas, o que explica o pensamento positivo subsidiar conquistas?

Primeiro, devemos compreender que o pensamento está vinculado a emoções e sentimentos que são refletidos na postura e nos comportamentos adotados. Sendo assim, se você não acredita que é capaz de passar naquele concurso que tem apenas uma vaga disponível, você se preparará para a prova reforçando ao seu cérebro que todo esse empenho é inútil, que não adianta nenhum esforço, pois você já sabe o resultado. Ora, para que empregar energias em uma atividade se o fracasso já foi anunciado? E mais sério ainda, anunciado por você? Desse modo, a postura que se tem é de conformismo, e realizar a prova será um ato de mera formalidade.

Diante da mesma situação, consideremos uma pessoa otimista, que mesmo sabendo que está diante de um grande desafio, acredita que a única vaga do concurso seja a sua. Provavelmente, essa pessoa estudará para a prova com disciplina, persistência, envolvimento e, principalmente, autoconfiança. E, se depois de prestar o concurso essa pessoa não passar, sua forma de lidar com a situação será melhor que a daquela que não acreditava em si. Pesquisas comprovam que os otimistas são mais resilientes, ou seja, recuperam-se mais rápido de uma adversidade ou frustração. Ademais, conseguem perceber o que foi válido e proveitoso ao longo da situação.

Perceba que o pensamento positivo impulsiona as decisões e as atitudes, além de contribuir significativamente com a saúde mental e física. De que forma?

A saúde mental é beneficiada com a autoestima e a autoconfiança que promovem a segurança para arriscar e estar receptivo a novos aprendizados, relacionamentos, buscas… Enfim, permite que você esteja aberto a diferentes experiências e acredite na possibilidade de alcançar seus objetivos, o que faz com que realmente dedique-se a eles e assuma atitudes diferenciadas e que podem ser superadas. Outra importante contribuição é a redução dos níveis de estresse.  Olhar o lado positivo das coisas ajuda-nos a ter tranquilidade para analisar e solucionar os problemas, encarando-os como desafios a serem superados, em vez de dificuldades.

Em relação à saúde física, o bom humor e a disposição são incentivos para a prática de esportes, bem como a prática de uma alimentação saudável e equilibrada.  Estudos feitos por pesquisadores da Universidade de Harvard mostram que os otimistas têm alta resistência imunológica, além de menor probabilidade de desenvolver doenças cardíacas.

Diante de todos esses motivos, que tal cultivar o pensamento positivo? Lembre-se de que não é apenas o otimismo que te leva à conquista e à melhora da saúde mental e física, pois a possibilidade da conquista está, para além do pensamento otimista, nas decisões e nas atitudes assumidas dia a dia.  Dessa forma, você garante bem-estar, saúde mental e qualidade de vida.

Fonte: Supera Ginástica para o Cérebro

Gestão em tempos difíceis

Em tempos de crise, os negócios normais são suspensos, os modelos de trabalho usuais não funcionam mais e precisamos fazer mudanças rápidas a todo momento.

Não estamos falando de uma crise qualquer. O coronavírus é uma realidade dura e que no mínimo nos faz parar e refletir sobre muitos valores.

Neste momento, precisamos manter a calma e tentar ao máximo preservar o valor das pessoas e da organização. Devemos manter o foco e buscar maneiras de nos adaptar rapidamente ao novo cenário para alcançar objetivos de maneiras muitas vezes inovadoras, visando a recuperação e o crescimento pós-crise.

É natural mudarmos o foco para tentar apagar os incêndios imediatos. Mas, não podemos permanecer para sempre concentrando nossos esforços no que é imediato e socorrista. Temos que voltar nossos olhos para o controle da gestão e manter resiliência nos processos , nos controles e no negócio.

Os processos, para continuar, precisam dos colaboradores alinhados com os objetivos da empresa. Se os objetivos passaram por uma mudança, eles tem que saber disso e devem fazer parte. Não sairemos da crise sem uma equipe unida e que trabalha pelo mesmo objetivo. Mantê-los confiantes com uma comunicação ativa vai fazer toda a diferença.

Temos muito trabalho pela frente e entrar em pânico, não ajudará. Você precisa de ações rápidas e não precipitadas, ser flexível e estar preparado para mudar decisões diariamente conforme mudanças no cenário, mas, ao mesmo tempo, manter a gestão em dia. Mesmo as dívidas e valores em atraso tem que ser controlados e administrados. Deve-se tentar negociá-los sempre.

Desanimar e abandonar tudo que foi construído não é a melhor escolha. Lembre-se que há escolhas reais a fazer, desde a adaptação do negócio ou até fechar a empresa. Mesmo que decidir fechar o negócio, deverá ser consciente, baseados em dados e com controles atualizados para tomada de decisão.

Não está fácil para muitos. Mas é preciso resiliência para passar por esta crise e voltar a progredir.

E para isso, temos que trabalhar para minimizar os impactos e fazer mudanças que possibilitem que nosso time, clientes e o negócio sobrevivam e cresçam.

BLOCO X: Contribuinte com arquivos pendentes não terá mais seu PAF-ECF impedido de uso

A DIAT decidiu alterar a regra que fazia com que os desenvolvedores de PAF-ECFs do Estado de Santa Catarina tivessem de implementar em seus sistemas o impedimento do uso do PAF-ECF quando o número de transmissões pendentes de arquivos do Bloco X referentes à Redução Z diária e o estoque mensal ultrapassasse os limites pré-estabelecidos. Com as alterações promovidas pelo Ato DIAT nº 11/2020 (PeSEF de 08.05.2020), o PAF-ECF não terá mais seu uso impedido, porém, o sistema mostrará uma mensagem em tela do Ponto de Venda constatando a existência e mostrando a quantidade de transmissões pendentes.

O prazo de envio do arquivo da Redução Z se manteve o mesmo: até o 20º dia após a sua geração. O arquivo do estoque mensal deve ser entregue, em regra, até o dia 20.01.2020, visto que os estoque mais comum será o apurado ao fim do ano. Porém, caso o contribuinte tenha de levantar o estoque por qualquer um dos motivos previstos no Ato DIAT nº 17/2017, a entrega ocorrerá até o dia 20 do mês subsequente à apuração do referido estoque.

Fonte: Editorial ITC Consultoria

Bloco X: Prorrogação de prazo em razão da pandemia

O Bloco X seria obrigado para todo o COMÉRCIO VAREJISTA em geral a partir do dia 01.06.2020, com a prorrogação, setor terá mais tempo para se preparar.

A Diretoria de Administração Tributária da Secretaria de Estado da Fazenda de Santa Catarina, através da Gerência de Fiscalização, enviou aos contribuintes e contadores de Santa Catarina, o Correio Eletrônico Circular SEF/DIAT nº 013/2020, com o assunto: ALTERAÇÃO NA DATA DE INÍCIO DA OBRIGATORIEDADE DO ENVIO DOS ARQUIVOS ELETRÔNICOS DO BLOCO X, comunicando que em razão das repercussões da pandemia da COVID-19, e considerando ainda o pedido de entidades representativas do comércio varejista e do setor de automação comercial, a Administração Tributária do Estado de Santa Catarina decidiu adiar a data de início da obrigatoriedade de envio dos arquivos eletrônicos do Bloco X, daqueles estabelecimentos enquadrados nos códigos da Classificação Nacional de Atividades Econômicas (CNAE) de Comércio Varejista, referenciados no inciso X do Art. 2º do Ato DIAT nº 17/2017, que se iniciaria no dia 01.06.2020.

A fim de fundamentar esta decisão a Administração Tributária do Estado de Santa Catarina editará Ato DIAT específico alterando a data prevista no inciso X do Art. 2º do Ato DIAT nº 17/2017 para 1º de outubro de 2020.

Entretanto, especificamente para aqueles estabelecimentos, usuários do Programa Aplicativo Fiscal PAF-ECF e do Equipamento Emissor de Cupom Fiscal – ECF, que atuam no comércio varejista de autopeças, em razão da retirada desses itens de mercadorias do Regime de Tributação por Substituição Tributária, será mantida a data de 1º de junho de 2020, como termo inicial da obrigatoriedade de envio dos arquivos eletrônicos do Bloco X. Esta regra legal será objeto de publicação de Ato DIAT.

Observa-se que é considerada, para todos os efeitos legais e penais, na forma da Lei nº 10.297/1996, inobservância à legislação tributária a omissão na transmissão e entrega dos arquivos eletrônicos digitalmente assinados, contendo informações de natureza econômica ou fiscal.

Fonte: Editorial ITC Consultoria

 

Delivery:ajude seu produto chegar ao consumidor

O setor alimentício não pode parar e o delivery tem se tornado a melhor opção para os empreendedores do ramo.

Como a tendência é que as pessoas evitem sair de casa, você pode manter as vendas entregando seus produtos em domicílio.

Por isso, o conselho é encontrar já alternativas para a baixa nas vendas. E já que o corona impede que as pessoas vão até o seu negócio, a solução é ir até elas. Já pensou em implementar um serviço de entrega no seu negócio? O mercado de delivery é diversificado e significa oportunidade para vários tipos de estabelecimento.

Confira então dicas de como usar essa solução a seu favor e contornar problemas com o fluxo de caixa, mantendo as vendas.

1. Preste um bom atendimento

As empresas que elevam a qualidade da prestação de serviço passam a ser mais competitivas no mercado, pois um bom atendimento conquista e fideliza o cliente. Quem tiver contato direto com o consumidor deve seguir alguns requisitos básicos para atender bem o público:

  • Conhecer a empresa para oferecer as melhores soluções disponíveis.
  • Falar de maneira clara e objetiva, para não deixar o cliente com nenhuma dúvida e passar confiança.
  • Saber ouvir e compreender o consumidor, para entender suas necessidades e solucionar problemas.
  • Conhecer o perfil dos clientes, para dar a eles um tratamento diferenciado.

2. Cumpra os prazos

Esta dica é curta, mas essencial, e faz toda a diferença para quem usa o serviço de delivery: os seus consumidores buscam rapidez e segurança no transporte do produto. Por isso, a sua empresa precisa ser eficiente na entrega, já que cumprir o prazo estabelecido é um fator relevante e decisivo para fidelizar a sua clientela.

3. Diversifique os meios de pagamento

Ampliar as opções de pagamento é estar preparado para atender a todos os tipos de clientes.

O cartão de crédito ainda é o mais popular entre os consumidores brasileiros, principalmente por suas duas maiores vantagens: praticidade e prazo de pagamento.

Nos cartões de débito, o pagamento é feito à vista. Assim, o empresário garante o recebimento do valor pelo preço total do serviço ou produto, reduz a inadimplência e promove agilidade nas transações.

Mais um reflexo da expansão do universo online a tendência no mercado são os serviços de pagamento por dispositivos móveis. Basta acoplar um pequeno dispositivo ao próprio telefone, que funcionará como uma maquininha de crédito ou débito.

4. Ofereça horários flexíveis

Oferecer  serviços  delivery  em  horário alternativo,  não  comercial,  é  vantajoso  para  empresas  ampliarem a cartela de clientes, atendendo a demanda de quem precisa resolver emergências à noite, por exemplo. Fique atento, porém, aos custos adicionais que isso pode gerar à sua empresa.

5. Divulgue a novidade

A divulgação é fator fundamental para o sucesso do seu novo serviço. Mesmo que haja qualidade nas entregas e valores justos, se ninguém conhece o seu sistema de entregas, a sua inovação pode acabar não servindo para muita coisa.

A internet é terreno fértil para divulgar suas ações, ainda mais em tempos de reclusão. Afinal, com ela você consegue quebrar barreiras de acesso a públicos específicos e diminuir os custos, já que pode expor o seu produto ou serviço em milhares de sites, redes sociais, buscadores e reprodutores de conteúdos espalhados em diferentes links e acessados por diferentes perfis de pessoas.

6. Faça parcerias e estabeleça taxas

Criar parcerias com postos de gasolina e lojas de autopeças pode ser vantajoso para os pequenos negócios. Contar com o auxílio desses estabelecimentos, fundamentais para o funcionamento das motos, é necessário para que o serviço não seja interrompido.

Além disso, estabelecer parcerias com outras empresas de delivery  é  uma  opção  para  não  deixar  de  atender a necessidade do cliente, caso a entrega seja solicitada para regiões que fogem do âmbito de entrega do seu negócio.

Falando nisso, você deve pensar também na cobrança da taxa de entrega. É melhor definir uma região a ser atendida do que atender toda a cidade e cobrar uma alta taxa para entrega. O ideal é começar atendendo bairros próximos e de fácil acesso.

Atenção: para garantir excelência no serviço é necessário oferecer retaguarda ao motoqueiro, de modo a atendê-lo em emergências. Uma boa saída pode ser a implementação de um sistema de comunicação por rádio por celular. Além disso, é fundamental que haja manutenção periódica das motos, para que o trabalho não seja interrompido durante o percurso.

Fonte: SEBRAE (texto adaptado para Blog)

Com baixo movimento, restaurantes pedem parcelamento do ICMS em SC

Bares e restaurantes pedem ao governo de Santa Catarina o parcelamento do ICMS para mitigar os efeitos da crise provocada pelo novo coronavírus e o fraco movimento nos estabelecimentos. A Associação dos Bares e Restaurantes em Santa Catarina (Abrasel) solicita, ainda, flexibilização no pagamento dos contratos de locação dos imóveis.

Confira a nota divulgada nesta segunda-feira (16) pela Abrasel:

Para evitar o pânico e reduzir ao máximo os efeitos desta pandemia no setor e em toda a sociedade, a Abrasel atua em duas frentes – a informação e orientação de boas práticas junto aos estabelecimentos associados e a atuação junto às esferas sindical, municipal, estadual e federal para minimizar o impacto econômico no segmento.

Diante disso, está em tratativas com os sindicatos patronais e laborais sugerindo a criação de banco de horas, redução da jornada, férias coletivas, antecipação de férias e licenças remuneradas. Também tenta junto às imobiliárias um trabalho de sensibilização para flexibilização dos pagamentos, visando evitar a inadimplência.

Em nível municipal, a Abrasel também tem em pauta o parcelamento do ISS e IPTU, a flexibilização do uso de mesas e cadeiras nas calçadas e áreas de estacionamento e a criação de linhas de crédito para capital de giro. Junto ao governo estadual, estuda o parcelamento do ICMS. A entidade segue, como sempre, à disposição de seus associados e firme no propósito de garantir a saúde dos clientes e a sobrevivência das empresas e dos postos de trabalho.

Fonte: NSC Total

Como treinar seu cérebro para trabalhar melhor sob pressão

Confira três maneiras de treinar o cérebro para evitar nervosismo em situações estressantes.

Prazos apertados, cobrança, metas a cumprir e reuniões com os clientes. Esses fatores fazem parte da rotina de grande parte dos profissionais e demandam uma habilidade importante: saber trabalhar sob pressão.

Mas como trabalhar melhor nessa situação? Existem três maneiras simples para ajudar a treinar o cérebro para isso:

Gerenciar recompensas

Somos mais criativos quando há uma combinação entre recompensas do ambiente e a motivação pessoal. Quando alguém está focado em conseguir algum resultado positivo, a pessoa é mais criativa. Uma forma de fazer isso é colocar um saco de doces ou dinheiro como prêmio. Se a tarefa for realizada com sucesso, o profissional ganha o prêmio, mas cada vez que ele fizer algo que não tenha relação com o trabalho a ser feito, ele retira um pouco do prêmio. Isso ajuda a manter o foco.

Treinar, treinar e treinar

Trabalhar sobre pressão é desagradável, por isso muitas pessoas tendem a procrastinar. Como consequência, os profissionais podem agravar a pressão que enfrentam pelo fato de estarem despreparados. Um exemplo: falar em público. Se o profissional acredita que não seja bom nisso, ele deve praticar seu discurso antes sozinho e também  com colegas. Com o tempo, o treino fará com que a pressão tenha menos efeito.

Focar nas coisas certas

Em uma negociação, por exemplo, é possível que o profissional se atente à forma como ele está falando, seus gestos e tom de voz. Nada disso o ajudará a negociar melhor porque a probabilidade de falar de forma eloquente e natural é maior quando a pessoa não está prestando atenção nesses fatores. O ideal é fazer negociações simuladas com os colegas para praticar. Em uma situação real, o cérebro vai buscar monitorar como anda a negociação, ao invés de como o profissional está se saindo.

Fonte: Supera

Governo do Estado reduz alíquota de ICMS

A partir do dia 1º de março, a alíquota de ICMS em operações com mercadorias destinadas ao contribuinte para comercialização, industrialização e prestação de serviços terá redução de 17% para 12%. O objetivo da medida é estimular a competitividade da indústria catarinense, igualando o imposto com o dos estados vizinhos nas transações interestaduais. Assim, a indústria local poderá comprar insumos de Santa Catarina a um preço inferior, movimentando os negócios e a cadeia produtiva dentro do estado, gerando mais empregos e trazendo mais competitividade para a economia catarinense.

“Com a nova alíquota, a indústria catarinense será ainda mais fortalecida, pois poderá comprar produtos locais com o mesmo percentual de imposto do Paraná e Rio Grande do Sul. A medida transfere a carga tributária da indústria para o varejo, movimentando os negócios e a cadeia produtiva dentro do Estado”, ressalta o secretário da Fazenda de Santa Catarina (SEF), Paulo Eli.

O artigo 5º, da Lei 17.878, aprovado pela Assembleia Legislativa de Santa Catarina (Alesc), faz parte do projeto de administração tributária catarinense. O plano visa manter a arrecadação do estado sem aumentar impostos, por meio da simplificação e padronização da legislação vigente, com isonomia e livre concorrência entre os agentes econômicos e transparência na concessão de tratamento tributário diferenciado.

Além de valorizar a produção catarinense, a decisão do Governo de Santa Catarina beneficia ainda as empresas do Simples Nacional, que terão vantagem relativa em adquirir mercadorias e serviços em operações internas, já que não se creditam do imposto das etapas anteriores.

Fonte: Secretaria de Estado da Fazenda